PASSIVAÇÃO - Para que e por que passivar?

PASSIVAÇÃO - Para que e por que passivar?

Quando falamos em passivação existem muitos métodos que aparecem e são oferecidos no mercado, assim muitas dúvidas aparecem.

“Será que estamos escolhendo o melhor método ou o mais adequado? ”

Existem algumas regras que irão auxiliar e ajudar a entender como funciona esta atividade extremamente importante na vida do aço INOX.

Primeiro vamos entender o que é o aço INOX:

Basicamente o AÇO INOX é uma liga de Fe-Cr com baixo teor de Carbono, contendo, no mínimo 10,5% de Cr.

Na passivação o cromo participa da formação de uma película fina, aderente e protetora na forma de óxido de cromo. Esta película se forma naturalmente em atmosferas oxidantes ou no ar ambiente.

A resistência à corrosão dos aços inoxidáveis aumenta com o teor de Cr e de outros elementos que participam e estabilizam o filme passivado, tais como o Ni, Mo, N e Cu (aços austeníticos).

 

Para conseguirmos esta condição de formação do óxido de cromo é necessário executar algumas etapas de preparação do metal, mas na prática, para a indústria os equipamentos devem ser preparados seguindo o “rito” de passivação.

 

O equipamento passivado terá uma vida útil muito longa, dando segurança para trabalhar e produzir, desta forma a passivação deve ser mantida em dia para evitar custos e dor de cabeça.

Uma passivação bem-feita deve garantir uma segurança de até anos, mas o ideal, por segurança é que se repita o procedimento, no máximo a cada dois anos e não sendo necessário em menos que um ano.

 

Seguindo norma ASTM 967

 

Como devemos fazer:

 

Um primeiro passo, que garante uma ótima passivação e depois uma ótima condição de preparo de cervejas é o polimento do equipamento, principalmente na parte interna. Quanto melhor o polimento, mais efetiva será a passivação, o CIP e a produção de bebidas. Isto é um preceito básico para equipamentos de qualidade!

Em uma primeira etapa do processo, deve ser feito um enxague com água aquecida entre 60º e 80°C por toda a parte que irá ser passivada por uma hora. O ideal para um maior aproveitamento com menor gasto no volume de líquidos é usar o spray-ball.

Depois os produtos:

 

Os produtos que devemos usar são Hidróxido de Sódio (NaOH), de confiabilidade, não devendo ser produto em escama para evitar bactérias alcalinas, além de sujeiras, mas este produto deve cumprir o papel da retirada dos materiais orgânicos.

Esta etapa é muito importante cuidar as condições, que são a concentração da soda, temperatura e tempo de trabalho.

Depois vem o ácido (HNO3) em uma concentração igual a soda, que tem papel de retirar os materiais inorgânicos e abrir o cromo (decapagem) para reagir com o oxigênio do ar e criar a camada protetiva.

Esta etapa deve ser em temperatura ambiente (para usar ácido aquecido tem que ser em situações muito específicas e com acompanhamento técnico), por um tempo muito menor, ao final enxague com água a temperatura ambiente por 20 minutos.

Após esta etapa devemos observar a questão do polimento do equipamento, que garante que não sobre água em contato com o inox e deixando que ocorra a oxidação correta.

Nunca usem ácido clorídrico (HCl) e sulfúrico (HSO4), o ácido Cítrico é recomendado também, mas tem que ser acompanhado para garantir o melhor aproveitamento.

 

Uma coisa muito importante é observar que a soda deve ser guardada após o uso para ser neutralizada com o ácido no final do processo e ser descartado neutralizado”.

Sempre é muito importante procurar consultoria para o melhor desempenho do seu trabalho. Fale com que entende e com quem conhece.

Procure a PALEMAPA!!!

 

Pronto o INOX está passivado corretamente

 

 

Marco Aurélio de O. Filho

Eng. Ind. Químico

Ms. Materiais e Processos Industriais

CRQV: 05303435

CREA: RS200137