5 dicas gerais sobre harmonização de cervejas artesanais

Já falamos, por aqui, que a humanidade deve muito à cerveja. Mas, além de participativa em grandes avanços da nossa civilização, a bebida também encontra tempo para ser a obra-prima da arte culinária: afinal, a harmonização de cervejas artesanais está em alta.

E isso encerra de vez os mitos de que o vinho é a única bebida capaz de proporcionar uma experiência completa para os degustadores. Mas, quando falamos em degustação, a palavra não possui tanta valia quanto a visão, o paladar e o aroma.

Assim, neste post, vamos conferir cinco dicas gerais sobre harmonização de cervejas artesanais para que você entenda — e reforce — o que falamos aqui. Confira!

A harmonização de cervejas artesanais é versátil

A começar pela desmistificação de que cerveja só vai bem com petiscos e churrascos — o que não deixa de ser verdade. Inclusive, já falamos a respeito de harmonizações de cerveja com chocolate para adoçar a sua Páscoa!

Ou seja: a bebida possui ingredientes que podem ajudar a trabalhar as percepções sensoriais de diferentes maneiras — e com os mais variados sabores culinários.

Em parte, isso se deve à carbonatação da cerveja, o que ajuda a ativar e também a limpar as papilas gustativas. Algo que permite uma apreciação mais acurada dos pratos.

O lúpulo, também, estimula o apetite em decorrência do seu amargor natural, bem como outros ingredientes que ajudam a potencializar os aromas e sabores dos pratos com os quais você vai fazer a sua harmonização de cervejas artesanais.

A regra máxima é não sobrepor sabores

Como em uma harmonização com outras bebidas, o importante é criar uma experiência que ser complemente, e não que se contraponha.

Quando falamos em harmonização de cervejas artesanais, podemos pensar em três características principais:

  • No conceito de limpar o paladar a cada garfada;
  • No conceito de contrastar aromas e sabores para que cada um se destaque sensorialmente;
  • No conceito de complementar os aromas e sabores, assim, potencializando ambos.

Dessa maneira, tem-se um bom norte para iniciar a sua harmonização de cervejas artesanais — e cujo direcionamento será aprimorado com as nossas dicas técnicas sobre o assunto!

Defina o sabor! E,então, a cerveja:

Uma dica geral de harmonização para quem está realizando as suas primeiras degustações é simples:

  • Cervejas leves caem bem com comidas leves;
  • Cervejas mais fortes e encorpadas são melhor harmonizadas com receitas gordurosas e pesadas, como, por exemplo: assados e grelhados de grande porte.

Com isso, dentro do variado repertório de tipos de cervejas existentes, há como pensar as Ales como as acompanhantes ideais para receitas mais complexas, enquanto as populares Lagers tendem a combinar com sabores suaves.

Comidas picantes harmonizam com cervejas lupuladas

Comidas tailandesas, mexicanas e indiana, entre tantas outras que possuem a fama de condimentar e apimentar a maioria de seus pratos, podem cair bem com cervejas lupuladas.

Isso porque o amargor da cerveja vai ajudar a cortar a queimação prolongada, dessa forma, permitindo uma degustação capaz de acentuar os sabores da bebida e das receitas à mesa.

Crie uma ordem lógica de harmonização

Por fim, fazer uma harmonização de cervejas artesanais consiste em pensar em uma lógica natural para provar os pratos e os rótulos.

E a mais característica dessa sequência é iniciando pela cerveja mais leve — tanto no sabor quanto em sua graduação alcoólica — até as mais encorpadas ao fim. Pense que, assim, a combinação de pratos também segue uma lógica mais atrativa de degustação, não é mesmo?

E então, encantou-se com as possibilidades de harmonização de cervejas artesanais e quer fazer algumas experiências em casa? Pois então, entre em contato conosco e confira quais equipamentos serão indispensáveis nessa suculenta empreitada!